sexta-feira, janeiro 09, 2009

HOJE, 09 DE JANEIRO DE 2009

  • NOMEAÇÕES
Leio sobre as nomeações para o "staff" do Prefeito, porém sem novidades, tudo já dito e comentado anteriormente. Parabenizo o DEM pela indicação de Ivanice Freitas para a Secretaria de Obras, afinal é uma profissional da engenharia e numa função compatível com o que a pasta requer. Jovem e, certamente, com disposição para trabalhar, Ivanice tem tudo para deslanchar. Como já disse anteriormente; sucesso!
  • CRÍTICO ?

Já com relação a Saúde, tem quem não "perdeu o tom crítico" em dizer que tem um veterinário no cargo, talvez porque a idéia que se tem é que esse profissionais só cuidam mesmo de animais(todos nós somos animais tidos como racionais, embora muitas vezes nos comportamos piores que os irracionais). Mas, secretários de saúde, sejam médicos, dentistas, advogados,ou qualquer outro profissional, não fazem ambulatório no cargo, apenas comandam a pasta.

  • ATENDIMENTO
No entanto, acho que se o secretário de saúde, veterinário Gerlan Freitas, resolvesse abrir um consultório, certamente não faltariam "pacientes-clientes", pois o número de animais à solta é enorme; especialmente os burros. Sem falar nos escorpiões, lagartos, ienas, girafas, alces, leões e, por que não dizer, as cobras...
  • SEM NOVIDADE

Já o nome para a Assessoria de Imprensa, embora não seja uma surpresa, pois já era sabido desde quando estava em Portalegre, e até escrevi sobre a "escolha",se constitui tão somente em um grande equívoco, já que é um cargo específico de jornalista, uma profissão regulamentada, inclusive os jornalistas - assessores de imprensa realizam anualmente congressos nacionais e tem normatização definida.
Ainda no que se refere a essa escolha acredito mesmo que o que pesou foi a "palavra empenhada" e, além disso o contratante deve acreditar que o agraciado "tem competência profissional para tal e conhece todos os caminhos da imprensa potiguar", sem contar que o Chefe do Executivo tem certeza de se tratar de alguém "imparcial", politicamente falando, principalmente quando trabalha para dois lados políticos opostos (enquanto técnico de gravação de programas eleitorais), numa mesmo eleição. Portanto, merecedor de extrema confiança.

  • PERGUNTAR NÃO OFENDE
Quem foi mesmo que entregou aos adversários do então candidato Euclides, nas eleições de 2004, sem que fosse por ordem escrita da Justiça Eleitoral, uma cópia, em cd, com a gravação de um programa eleitoral para que a coligação adversária, naquela ocasião, entrasse com uma ação contra a coligação em que eram candidatos Euclides Pereira e Luis Carlos Tertulino ?
Ainda tenho uma cópia do Processo, graças a entrega do cd na ocasião.
  • PROVÉRBIO DO DIA

"Quem avisa amigo é..."

  • JUSTO ?
Enquanto isso, uma jovem, cuja família é aliada, se formando em jornalismo, teve seu nome preterido para o cargo. Fazer o quê ?
  • ASSESSORIA DE IMPRENSA É FUNÇÃO DE JORNALISTA PROFISSIONAL

A delimitação das atividades dos profissionais de Jornalismo e de Relações Públicas, embora claramente definida por lei, tem sido objeto de constante discussão, sobretudo nas estruturas de assessoria de comunicação.
A confusão, a inversão e a superposição de atribuições, que acabam configurando o exercício ilegal da profissão, não pode ser combatida de outra forma, senão através da informação.
A título de ilustração, justificativa e embasamento da presente argumentação, reproduzimos a seguir alguns tópicos da legislação que regulamenta a profissão de jornalista.
  • REGULAMENTAÇÃO DA PROFISSÃO DE JORNALISTA

Decreto n.º 83284 de 13 de março de 1979

Exercício da Profissão II
Dá nova regulamentação ao Decreto-lei n.º 972, de 17 de outubro de 1969, que dispõe sobre o exercício da profissão de jornalista, em decorrência das alterações introduzidas pela Lei nº. 6.612, de 7 de dezembro de 1978.
O presidente da República, usando da atribuição que lhe confere o Art. 81, item III, da Constituição, decreta:
Art. 1o. - É livre, em todo território nacional, o exercício da profissão de Jornalista, aos que satisfizerem as condições estabelecidas neste Decreto.
Art. 2o. - A profissão de Jornalista compreende, privativamente, o exercício habitual e remunerado de qualquer das seguintes atividades:
I - redação, condensação, titulação, interpretação, correção ou coordenação de matéria a ser divulgada, contenha ou não comentário;
II - comentário ou crônica, por meio de quaisquer veículos de comunicação;
III - entrevista, inquérito ou reportagem, escrita ou falada;
IV - planejamento, organização, direção e eventual execução de serviços técnicos de Jornalismo, como os de arquivo, ilustração ou distribuição gráfica de matéria a ser divulgada;
(*) ENTENDA-SE TAMBÉM RELEASE
V - planejamento, organização e administração técnica dos serviços de que trata o item I;
VI - ensino de técnica de jornalismo;
VII - coleta de notícias ou informações e seu preparo para divulgação;
VIII - revisão de originais de matérias jornalísticas, com vista à correção redacional e à adequada da linguagem;
IX - organização e conservação de arquivo jornalístico e pesquisa dos respectivos dados para elaboração de notícias;
X - execução de distribuição gráfica de texto, fotografia ou ilustração de caráter jornalístico, para fins de divulgação;

A descrição das funções de exercício privativo dos jornalistas profissionais, conforme assinalado acima, não deixa dúvidas de que as rotinas do assessor de imprensa competem exclusivamente aos profissionais diplomados em jornalismo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentário, sugestão de nota, críticas...