quarta-feira, julho 09, 2014

Noite de 09 de julho de 2014

http://www.clubedejazz.com.br/noticias/noticia.php?noticia_id=338#topo
_______________________________________________________________

Drummond escreveu este texto para o Jornal do Brasil logo após a eliminação da seleção brasileira diante da Itália na Copa do Mundo da Espanha, em 1982. Nada mais atual e oportuno o lirismo de nosso maior poeta para enaltecer a vida como a maior dávida do ser humano, muito além das Copas e dos grandes negócios.
_________________________________________________________________

Perder, ganhar, viver
*Carlos Drummond de Andrade ( Jornal do Brasil, 21 de julho de 1982)

Vi gente chorando na rua, quando o juiz apitou o final do jogo perdido; vi homens e mulheres pisando com ódio os plásticos verde-amarelos que até minutos antes eram sagrados; vi bêbados inconsoláveis que já não sabiam por que não achavam consolo na bebida; vi rapazes e moças festejando a derrota para não deixarem de festejar qualquer coisa, pois seus corações estavam programados para a alegria; vi o técnico incansável e teimoso da Seleção xingado de bandido e queimado vivo sob a aparência de um boneco, enquanto o jogador que errara muitas vezes ao chutar em gol era declarado o último dos traidores da pátria; vi a notícia do suicida do Ceará e dos mortos do coração por motivo do fracasso esportivo; vi a dor dissolvida em uísque escocês da classe média alta e o surdo clamor de desespero dos pequeninos, pela mesma causa; vi o garotão mudar o gênero das palavras, acusando a mina de pé-fria; vi a decepção controlada do presidente, que se preparava, como torcedor número um do país, para viver o seu grande momento de euforia pessoal e nacional, depois de curtir tantas desilusões de governo; vi os candidatos do partido da situação aturdidos por um malogro que lhes roubava um trunfo poderoso para a campanha eleitoral; vi as oposições divididas, unificadas na mesma perplexidade diante da catástrofe que levará talvez o povo a se desencantar de tudo, inclusive das eleições; vi a aflição dos produtores e vendedores de bandeirinhas, flâmuIas e símbolos diversos do esperado e exigido título de campeões do mundo pela quarta vez, e já agora destinados à ironia do lixo; vi a tristeza dos varredores da limpeza pública e dos faxineiros de edifícios, removendo os destroços da esperança; vi tanta coisa, senti tanta coisa nas almas...


Chego à conclusão de que a derrota, para a qual nunca estamos preparados, de tanto não a desejarmos nem a admitirmos previamente, é afinal instrumento de renovação da vida. Tanto quanto a vitória estabelece o jogo dialético que constitui o próprio modo de estar no mundo. Se uma sucessão de derrotas é arrasadora, também a sucessão constante de vitórias traz consigo o germe de apodrecimento das vontades, a languidez dos estados pós-voluptuosos, que inutiliza o indivíduo e a comunidade atuantes. Perder implica remoção de detritos: começar de novo.


Certamente, fizemos tudo para ganhar esta caprichosa Copa do Mundo. Mas será suficiente fazer tudo, e exigir da sorte um resultado infalível? Não é mais sensato atribuir ao acaso, ao imponderável, até mesmo ao absurdo, um poder de transformação das coisas, capaz de anular os cálculos mais científicos? Se a Seleção fosse à Espanha, terra de castelos míticos, apenas para pegar o caneco e trazê-lo na mala, como propriedade exclusiva e inalienável do Brasil, que mérito haveria nisso? Na realidade, nós fomos lá pelo gosto do incerto, do difícil, da fantasia e do risco, e não para recolher um objeto roubado. A verdade é que não voltamos de mãos vazias porque não trouxemos a taça. 
 Trouxemos alguma coisa boa e palpável, conquista do espírito de competição. Suplantamos quatro seleções igualmente ambiciosas e perdemos para a quinta. A Itália não tinha obrigação de perder para o nosso gênio futebolístico. Em peleja de igual para igual, a sorte não nos contemplou. Paciência, não vamos transformar em desastre nacional o que foi apenas uma experiência, como tantas outras, da volubilidade das coisas.


Perdendo, após o emocionalismo das lágrimas, readquirimos ou adquirimos, na maioria das cabeças, o senso da moderação, do real contraditório, mas rico de possibilidades, a verdadeira dimensão da vida. Não somos invencíveis. Também não somos uns pobres diabos que jamais atingirão a grandeza, este valor tão relativo, com tendência a evaporar-se. 

Eu gostaria de passar a mão na cabeça de Telê Santana e de seus jogadores, reservas e reservas de reservas, como Roberto Dinamite, o viajante não utilizado, e dizer-lhes, com esse gesto, o que em palavras seria enfático e meio bobo. Mas o gesto vale por tudo, e bem o compreendemos em sua doçura solidária. Ora, o Telê! Ora, os atletas! Ora, a sorte! A Copa do Mundo de 82 acabou para nós, mas o mundo não acabou. Nem o Brasil, com suas dores e bens. E há um lindo sol lá fora, o sol de nós todos.



Carlos Drummond de Andrade  (Poeta e escritor brasileiro (1902-1987))

terça-feira, julho 01, 2014

Terça-feira, 01 de julho de 2014

CÉLIA

 A jornalista Célia Freire, a quem carinhosamente   alguns chamam de  Celinha, como eu, desde os bons tempos de Tribuna do Norte e Sindicato dos Jornalistas,   aniversária hoje. Atualmente, assessora de imprensa do SEBRAE/RN, Célia não é só uma grande profissional, é uma amiga querida e uma das pessoas mais íntegras que conheço.  Saúde Célia, porque o resto eu já sei que você tira de letra.




13º SALÁRIO

Os servidores estaduais receberão o adiantamento de 40% do décimo terceiro salário,deste ano, em duas parcelas: 20% no dia 16 de julho e igual valor em 18 de agosto. Coisas do Governo da Rosa.


PARTIDOS E CANDIDATOS
 


PESQUISA

O Instituto Datafolha registrou uma nova pesquisa eleitoral para presidente da República. As 2.884 entrevistas programadasdeverão ser feitas até amanhã, 2o as 2.884 entrevistas programadas.



Campanha de Aécio irá mirar ataques na gestão Dilma, desviando de Lula

POR PAINEL 01/07/14 02:00 http://painel.blogfolha.uol.com.br/2014/07/01/

Bombardeio cirúrgico A campanha de Aécio Neves (PSDB) quer concentrar os ataques na gestão de Dilma Rousseff (PT), desviando a mira do governo Lula. Para driblar a comparação entre os 12 anos do PT e os oito de Fernando Henrique Cardoso, os tucanos repetirão que Dilma é a primeira presidente em duas décadas que entregará o país pior do que recebeu. Quando o ataque a Lula for necessário, o vice Aloysio Nunes será acionado. O senador deve passar a maior parte do tempo em São Paulo, sua base eleitoral.



segunda-feira, junho 30, 2014

Segunda-feira, 30 de junho de 2014


COPA

 Além das divergentes opiniões   para todos os lados sobre  a Copa do Mundo no  Brasil,  o evento  que vem se tornando histórico, também proporcionou uma discussão "acalorada"  na Câmara de Vereadores de Portalegre. 
   O vereador Adalberto Rêgo (DEM) postou na sua página no facebook, uma foto em que se mostra  presente num jogo oficial, em Natal, no dia 13 de junho,  mesmo dia em que houve sessão na Casa, para a qual ele não teria justificado a ausência.



COBRANÇA


Diante da publicação, na sessão do último dia 27, o vereador Afrânio Lucena (PMDB), primeiro secretário da Mesa Diretora, cobrou do colega parlamentar a devolução do dinheiro do dia da sessão que ele faltou por está em Natal assistindo jogo da copa, alicerçado no Regimento Interno, particularmente no que reza sobre as faltas de vereadores.


OFENDIDO

  Ao invés  de "reconhecer"  o Regimento, ou  mesmo a sua falta, Adalberto Rêgo,  segundo o vereador Afrânio Lucena, preferiu enveredar pelo caminho do  "estava lá porque quem pode, pode ".  Uma colocação   considerada de uma pobreza extrema, já que  poder aquisitivo  não exime  nenhum  Parlamentar de cumprir regras e normas regimentais.


AGORA...

  ...é esperar  desdobramento do caso. E que na Câmara, independente de partido político, os  demais Vereadores cobrem do colega o devido cumprimento do Regimento.


NÃO...

...faz muito tempo que li sobre uma recomendação do Ministério Público, para as prefeituras da Região, no sentido de  que médicos, e demais servidores da saúde cumprissem o horário de trabalho e que a administração  implantasse nas unidades de saúde um quadro com os horários de atendimento, e  ainda  que a direção  forneça declaração sobre o porquê, em caso de um  usuário  procurar o serviço e  não receber  atendimento.
    Vereador  também  recebe dinheiro  público como qualquer servidor.  Portanto...


EIS...

... a integra do pronunciamento do vereador Afrânio Lucena. 


 O PAPEL DO PRIMEIRO SECRETÁRIO E AS FALTAS DE VEREADORES

             Excelentíssimo Presidente, Excelentíssimos vereadores e vereadoras, meus senhores e minhas senhoras, estamos chegando ao fim de mais um período legislativo, o terceiro do nosso previsto quadriênio nesta Casa, para tanto gostaria de fazer cumprir de forma ética e responsável uma das minhas regimentais funções como Primeiro Secretário, o controle de frequência. Pois no Art. 36, do Regimento Interno, que trata das competências dessa função, trás em seu Inciso I, o primeiro instrumento verbal para garantir controle de comparecimentos e ausências dos Vereadores em Plenário; e o Inciso VI diz: “Certificar a frequência dos vereadores, para efeitos de pagamento dos subsídios;. Para tanto, o reclame que farei aqui me exime de conivência comum com os faltosos e me garante a responsabilidade como o único parlamentar que tem 100% de assiduidade, ou seja, vou além das presenças, pois cumpro com frequência, zelo, compromisso e dedicação as responsabilidades do mandato.   
              Segundo o Regimento Interno desta Casa das Leis, faltar às sessões, sem justificativa comprovada e regimentada, é falta de decoro que podem levar a suspensão da vereança, o seja, o mandato do vereador poderá ser extinto. Pois em seu Art. 73, Inciso V, que trata do assunto, diz que “faltar sem motivo justificado, a cinco sessões ordinárias consecutivas ou a dez intercaladas, dentro da sessão legislativa ordinária.” E completa no Art. 74, Inciso III, que trás em seu caput: a seguinte determinação: “deixar de comparecer em cada sessão legislativa anual, à terça parte das sessões ordinárias da Câmara Municipal, salvo por motivo de doença comprovada, licença ou missão autorizada pela edilidade, ou, ainda deixar de comparecer a cinco sessões extraordinárias convocadas por escrito pelo Presidente, para apreciação de matéria urgente, desde que comprovado o reconhecimento da convocação, em ambos os casos, assegura ampla defesa.”. O exposto no acima também é reforçado Lei Orgânica/2012 em seu Art. 50, que trata da perca de mandato do vereador e no Inciso III profere “que deixar de comparecer, em cada sessão legislativa anual, à terça parte das sessões ordinárias da Câmara, salvo licença, doença comprovada ou missão por esta autorizada.”. Como percebemos, nossas Leis regimentais estão em consonância quando o assunto é ausência em sessões.
            Os artigos supracitados mostram que há uma resposta simplificada, porém consistente e clara, para uma pergunta que sempre fiz desde que entrei nesta Câmara de Vereadores: “O que justifica uma falta de um Vereador?”. Pois bem, se há uma resposta, mesmo que sem muita abrangência diante de outros direito que justificam faltas de servidores, o que fazer com faltas que são descabidas e impossíveis de serem justificadas dentro Casa das Leis. Como ficam os demais funcionários públicos que são categoricamente cobrados pela assiduidade em suas repartições diante do exemplo parlamentar? O tudo pode já não existe mais diante das leis e dos fatos que elas freiam para garantir a paridade social pautada na ética e na cidadania.
             Reunirmo-nos ordinariamente como manda o Regimento Interno apenas uma vez por semana, porém, ainda há quem falte às sessões como se elas não fossem prioridade de um mandato conferido pela população que clama por responsabilidade e respeito ao erário público. O que pensar disso? A Casa das Leis não cumpre as Leis? Não segue seu Regimento?
             Nesse contexto de situações e indagações, como Primeiro Secretário, exaurido, cansado com o descaso com o dinheiro público, por ocasião de FALTAS que são impossíveis, pelo Regimento, de serem justificadas, faço valer as prerrogativas da minha função nessa Mesa Diretora e proponho ao Presidente que tome ciência dos fatos recorrendo ao Livro de Registros de Presença para estudar os casos e, não havendo uma justificativa compatível e ética, propor ou exigir a devolução de partes dos vencimentos que correspondem ao (s) dia (s) de ausência (s). Com isso, estou fazendo cumprir o que me é conferido como Primeiro Secretário.
           Têm casos que ferem a ética legislativa, pois nem tudo que se quer fazer, se pode fazer, principalmente, porque somos agentes públicos eleitos para cumprir as Leis que regem a sociedade, não importa a esfera, se Federal, Estadual ou Municipal. Temos que cumprir! Se não somos exemplos porque não queremos sê-los, somos passíveis, ou melhor, ATIVOS, de improbidade, pois atos injustificáveis aos preceitos parlamentares não servem de modelo a nenhum cidadão ou cidadã.
            O que justifica realmente uma falta em plenário de um vereador?! Essa pergunta persistente foi alimentada em várias sessões por justificativas fragilizadas que me fizeram franzir a testa como gesto incrédulo diante das marcas de certos discursos “justificativos” vagos, incoerentes e sem argumentação. Cadê a declaração? E o atestado médico? Ou um certificado condizente com o motivo da falta? A autorização plenária, onde está?
            Será que um recado dado por um colega de bancada basta para Justificar? Será que “o vereador fulano ligou, não pode vir, pediu para justificar” corresponde a uma justificativa? Ou “Estou terminando um trabalho, não vai dar tempo ir hoje”, não é incompatibilidade de horário? O que justifica uma falta coletiva para ir a uma festa em outro município? Isso não é missão parlamentar autorizada, por tanto não pode. Justificam-se faltas para eventos festivos, religiosos, escolares ou de outro tipo ou espécie que não seja “missão autorizada”? O que justifica um colega tentar amenizar a falta do outro quase engolindo as próprias palavras, dizendo forçadamente que o não tinha o que dizer? A esse fato parafraseamos um trecho da canção “Pra ser sincero” de Engenheiros do Hawai que fala: Nós dois temos os mesmos defeitos/ Sabemos quase tudo a nosso respeito/ Somos suspeitos de uma justificativa perfeita,/ Mas justificativas perfeitas não deixam suspeitos.”. Mas as justificativas de faltas perfeitas não existem, quando não são físicas por meio de documento comprobatório, são crimes contra o erário, salvo em casos extremos que entra o bom senso coletivo e humanitário no tocante a perca de parentes ou outros sinistros pessoais que as habilidades formais são resguardas pela compreensão. Com o advento da Internet isso ficou mais difícil, em particular, com o Facebook, onde em tempo real, podermos VER que as falsas verdades caem por terra, ou melhor, são expostas para todo o planeta Terra civilizado. Com isso, indago, o que Justifica a falta do Vereador Adalberto Rêgo na sessão do dia 13 do junho de 2014? Aqui foi dito que era motivo pessoal, e o nobre vereador reclamou e confirmou isso, motivo pessoal, na sessão do dia 20 do mesmo mês, por não constar em ata, pediu para constar a justificativa dada por sua colega de bancada. Porém o que se pode constatar é que o motivo mui pessoal era festivo, pois o mesmo, como postou na citada rede social, estava nesse dia no Estádio das Dunas, na cidade do Natal, assistindo ao jogo México e Camarões válido pela primeira fase da Copa do Mundo de Futebol/Brasil/FIFA/2014. Ostentar-se em eventos esportivos ou de qualquer gênero é motivo regimental para sanar uma ausência em Plenário? Acho que não! Por isso gostaria que o dinheiro público referente a esse dia de sessão seja devolvido a Câmara Municipal de Portalegre. Porém, não só o vereador Adalberto está incumbido de reparação, mas os demais colegas que se sintam ou estão contemplados por esse RECLAME REGIMENTAL o façam também.
               Nada mais para o momento, me disperso dos colegas vereadores e vereadoras dizendo que estou apenas cumprindo o que o Regimento Interno manda. A nós, cabe o dever de cumpri-lo!

Desejo um bom recesso!


Portalegre/RN, 27 de junho de 2014

quinta-feira, junho 26, 2014

Quinta-feira, 26 de junho de 2014

PROCESSO SELETIVO    
                
  A Prefeitura de Portalegre lançou  novo edital para contratação temporária de  profissionais.  As inscrições  podem ser feitas até o dia 30 de junho, das 08 às 13 horas, de forma presencial na Prefeitura. São oferecidas vagas para  Fisioterapeuta, Fonoaudiólogo, Nutricionista, Professor de Educação Física, Psicólogo e Agente Comunitário de Saúde.



 TEMPO

     O edital diz que  o período de inscrições, é  de 26 a 30 de junho, e estas só podem ser feitas em dias úteis, o que significa  que os interessados em concorrer,  só tem hoje, amanhã  e próxima segunda- feira para fazer a inscrição. Segundo informação da Prefeitura, o edital está publicado no Diário Oficial dos Municípios do Rio Grande do Norte,  nº 004/2014. 


"MUDANÇAS"


http://altamiroborges.blogspot.com.br/

Faustão agora elogia a Copa. Esperto!
                                         publicado em 24 de junho de 2014 às 9:34
                                                                        Por Altamiro Borges

O apresentador Faustão, da TV Globo, disputará com o ex-jogador Ronaldo, que também está na Globo, o título de “fenômeno” do oportunismo de 2014.

Neste domingo (22), durante o seu programa na emissora, ele mudou radicalmente de opinião e elogiou a Copa no Brasil. Na maior caradura, ele disse que “surpreendentemente” o evento está dando certo e que os problemas ocorridos até agora são de responsabilidade da Fifa.

“O que está dando problema é tudo culpa da Fifa. E eles não assumem e colocam a culpa no governo brasileiro. Veja agora o problema da alimentação em Recife, isso é problema da Fifa. A Fifa que assuma as suas responsabilidades”, afirmou no “Domingão do Faustão”.

A crítica à Fifa é justíssima, mas não deve ter agradado a famiglia Marinho – que sempre manteve sinistras ligações com a máfia que se perpetua no comando desta entidade mundial do futebol. Estas relações são antigas, desde a época do corrupto João Havelange. Não é para menos que a TV Globo evita repercutir as recentes denúncias da mídia internacional sobre o esquema de corrupção montado pela Fifa para sediar a Copa no Catar em 2022 ou sobre os aumentos secretos dos salários de seus dirigentes. A Fifa fatura cerca de 1,5 bilhão de dólares com este evento; já a famiglia Marinho mantém-se no topo da lista de bilionários da Forbes, entre outros motivos, por ter a exclusividade na transmissão dos jogos.

Faustão acertou na crítica à Fifa, mas deixou de fazer a sua autocrítica. Até a semana passada, o apresentador global, que recebe uma fortuna da emissora e dos anunciantes, era um dos mais hidrófobos nos ataques à organização da Copa no Brasil. Ele animou muita gente que padece do complexo de vira-lata contra o Brasil e que prega à visão neoliberal de negação do Estado. 

No “Domingão” que antecedeu a abertura dos jogos, ele esbravejou: “Esse é o país que quer fazer Copa do Mundo com 17 [12] cidades, mas que não faz nem com cinco… Já que vai começar dentro dessa bagunça toda, desses estádios caros, vamos tentar fazer o melhor possível, até porque a minha avó já dizia ‘roupa suja se lava em casa’”.

Na sequência, ele explicitou que seu programa virou um palanque eleitoral da oposição. “Não dá para mostrar para o mundo inteiro que somos o país da corrupção e da incompetência. Muita gente já sabe… O Brasil dentro de campo é uma coisa. O Brasil fora é outro. O povo já percebeu. O Brasil precisa ganhar a Copa da educação, da saúde, contra o preconceito. A nossa Copa do Mundo é em outubro, época das eleições”.

Ainda na semana passada, ao entrevistar a cantora Cláudia Leite, quase falou um palavrão na emissora, ao esculhambar a solenidade de abertura do torneio no estádio do Itaquerão. Para ele, a “festa merreca” foi uma “m… mercadoria”.

Agora, “supreendentemente”, ele muda de opinião e elogia a organização da Copa.

O que houve? Sem dúvida, ele foi contagiado por Ronaldo, o “fenômeno” do oportunismo.

A TV Globo trabalha com pesquisas diárias para conhecer o humor de seus telespectadores. Não há ainda nada de oficial, mas nos bastidores circula a informação de que o povo não se deixou abater pelo pessimismo da mídia tucana e está entusiasmado com a Copa. A coluna Painel, da Folha, chegou a noticiar neste final de semana que o apoio popular é de mais de 60% da sociedade. Esperto, Faustão resolveu recuar nas suas bravatas eleitoreiras; ele só não fez autocrítica. Por falta de oportunidade não faltam oportunistas neste mundo!

PS do Viomundo: Como demonstra o livro O lado sujo do futebol, Globo, Fifa, Ricardo Teixeira…É tudo a mesma máfia.

Leia também:


Faustão transforma seu programa em palanque contra Dilma

Altamiro Borges: Ronaldo, “fenômeno” do oportunismo

quarta-feira, junho 25, 2014

Quarta-feira, 25 de junho de 2014

http://noticias.r7.com/blogs/ricardo-kotscho/

Publicado em 24/06/14 às 12h03

Maior legado da Copa no Brasil é a força do povo

                                                                      Por Ricardo Kotscho






Faz duas semanas, deixei um país em guerra, afundado nas mais apocalípticas previsões, e desembarquei agora noutro, na volta, bem diferente, sem ter saído do Brasil. Durante meses, fomos submetidos a um massacre midiático sem precedentes, anunciando o caos na Copa do Fim do Mundo.

Fomos retratados como um povo de vagabundos, incompetentes, imprestáveis, corruptos, incapazes de organizar um evento deste porte. Sim, eu sei, não devemos confundir governo com Nação. Eles também sabem, mas, no afã de desgastar o governo da presidente Dilma Rousseff, acabaram esculhambando a nossa imagem no mundo todo, confundindo Jesus com Genésio, jogando sempre no popular quanto pior, melhor.

Estádios e aeroportos não ficariam prontos ou desabariam, o acesso aos jogos seria inviável, ninguém se sentiria seguro nas cidades-sede ocupadas por vândalos e marginais. Apenas três dias após o início da Copa, o New York Times, aquele jornalão americano que não pode ser chamado de petista chapa-branca, tirou um sarro da nossa mídia ao reproduzir as previsões negativas que ela fazia nas manchetes até a véspera. Certamente, muitos torcedores-turistas que para cá viriam ficaram com medo e desistiram. Quem vai pagar por este prejuízo provocado pelo terrorismo midiático?

Agora, que tudo é festa, e o mundo celebra a mais bela Copa do Mundo das últimas décadas, com tudo funcionando e nenhuma desgraça até o momento em que escrevo, só querem faturar com o sucesso alheio e nos ameaçam com o tal do “legado”. Depois de jogar contra o tempo todo, querem dizer que, após a última partida, nada restará de bom para os brasileiros aproveitarem o investimento feito. Como assim? Vai ser tudo implodido?

A canalhice não tem limites, como se fossemos todos idiotas sem memória e já tenhamos esquecido tudo o que eles falaram e escreveram desde que o Brasil foi escolhido, em 2007, para sediar o Mundial da Fifa. Pois aconteceu tudo ao contrário do que previam e ninguém veio a público até agora para pedir desculpas.

Como vivem em outro mundo, distantes da vida real do dia a dia do brasileiro, jornalistas donos da verdade e do saber não contaram com a incrível capacidade deste povo de superar dificuldades, dar a volta por cima, na raça e no improviso, para cumprir a palavra empenhada.

Para alcançar seus mal disfarçados objetivos políticos e eleitorais, após três derrotas seguidas, os antigos “formadores de opinião” abrigados no Instituto Millenium resolveram partir para o vale tudo, e quebraram a cara.

Qualquer que seja o resultado final dentro do campo, esta gente sombria e triste já perdeu, e a força do povo brasileiro ganhou mais uma vez. Este é maior legado da Copa, a grande confraternização mundial que tomou conta das ruas, resgatando a nossa autoestima, a alegria e a cordialidade, em lugar das “manifestações pacíficas” esperadas pelos black blocs da mídia para alimentar o baixo astral e melar a festa. Pois tem muito gringo por aí que já não quer mais nem voltar para seu país. Poderiam trocar com os nativos que não gostam daqui.



Que tal?


Em tempo: a 18 dias do início da Copa, escrevi um texto de ficção para a revista Brasileiros que está nas bancas, com o título “Deu zebra: ganhamos e o Brasil fez bonito”. Repito: trata-se de um exercício de ficção sobre um possível epílogo do Mundial.

Para acessar: htpp://www.revistabrasileiros.com.br/?p=95905

segunda-feira, junho 23, 2014

SEGUNDA-FEIRA, 23 DE JUNHO DE 2014

SÃO JOÃO

   De sexta-feira até ontem, Portalegre realizou a sua já tradicional Festa Junina.  A alegria de quem gosta de festa popular superou o mau  gosto da decoração. 
 Embora só tenha visto uma foto, do portal de entrada, não precisava de mais nada. Quem criou "aquilo" deve mentir até morte que o tenha feito.


AINDA...

...bem que o forte do prefeito Neto da EMATER (PP) é fazer política. E isso ele faz bonito. 


PP

Noticiado  que o pré-candidato Robinson Faria e o deputado federal Betinho Rosado conversaram sobre uma aliança, nas eleições de outubro. O Deputado  preside o Partido Progressista (PP) o qual, pelo andar da carruagem, parece que vai compor a aliança com o PSD, o PC do B e o PT. A alianç está  encontrando resistências, visto que o PT não quer aliança com o PP para deputado federal, e o intuito do deputado Betinho Rosado é se reeleger.


PARENTESCO
Um detalhe não deve passar despercebido, Betinho Rosado é cunhado de Rosalba Ciarlini, irmão de Carlos Augusto, nominado o bruxo Ravengar  do Governo. A conversa de Betinho pode ser um sinal de  para onde a "desgovernadora"  se  dirigirá.


E POR FALAR ...


...em política, é bom que em clima da copa não esqueçamos o calendário eleitoral.  Os partidos políticos com registro no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), tem até 30 de junho  para realizar em  as convenções para definir  sobre coligações e  escolhas de candidatos para as eleições de 2014.



JULHO

A partir de 1º de julho  não será veiculada a propaganda partidária gratuita prevista na Lei nº 9.096/95, nem será permitido nenhum tipo de propaganda política paga no rádio e na televisão.


REGISTRO

 O dia 5 de julho, será o último dia para os partidos políticos e coligações apresentarem o requerimento de registro de candidatos. Também são vedadas aos agentes públicos  nomear, contratar ou de qualquer forma admitir, demitir sem justa causa, suprimir ou readaptar vantagens ou por outros meios dificultar ou impedir o exercício funcional e, ainda, ex officio, remover, transferir ou exonerar servidor público, na circunscrição do pleito.


6  DE JULHO

Data que  permitirá a propaganda eleitoral, quando os os candidatos, os partidos políticos e as coligações poderão realizar comícios e utilizar aparelhagem de sonorização fixa, das 8 às 24 horas


7 DE JULHO

Último dia para o eleitor com deficiência ou mobilidade reduzida que tenha solicitado transferência para Seção Eleitoral Especial comunicar ao Juiz Eleitoral, por escrito, suas restrições e necessidades, a fim de que a Justiça Eleitoral, se possível, providencie os meios e recursos destinados a facilitar-lhe o exercício do voto.


8 DE JULHO

Data a partir da qual os Tribunais Eleitorais devem convocar os partidos políticos e a representação das emissoras de televisão e de rádio para a elaboração de plano de mídia para uso da parcela do horário eleitoral gratuito a que tenham direito.


12 DE JULHO

Último dia para os candidatos, escolhidos em convenção, requererem seus registros perante o Tribunal Superior Eleitoral e Tribunais Regionais Eleitorais, até as 19 horas, caso os partidos políticos ou as coligações não os tenham requerido.


15 DE JULHO

Data a partir da qual o eleitor que estiver ausente do seu domicílio eleitoral, em primeiro e/ou segundo turnos das eleições 2014, poderá requerer sua habilitação para votar em trânsito para Presidente e Vice-Presidente da República, com a indicação da capital do Estado onde estará presente, de passagem ou em deslocamento.


19 DE JULHO

Último dia para os partidos políticos registrarem os comitês financeiros, perante o Tribunal Superior Eleitoral e Tribunais Regionais Eleitorais encarregados do registro dos candidatos, observado o prazo de 5 dias após a respectiva constituição.


30 DE JULHO

Último dia para os partidos políticos impugnarem, em petição fundamentada, os nomes das pessoas indicadas para compor as Juntas Eleitorais, observado o prazo de 3 dias, contados da publicação do edital.









quinta-feira, junho 19, 2014

Quinta-feira, 19 de junho de 2014

DEPOIS...
...de negar legenda a  governadora Rosalba Ciarlini  para  ela  disputar a sua reeleição, o DEM  terá que enfrentar os  "renegados" que já  não poupam críticas ao senador José Agripino, principal articulador da decisão pela coligação com o PMDB/PSB.  O Partido também  observa que alguns prefeitos do DEM ou ligados politicamente ao Partido,  declararam que não apoiarão o candidato "escolhido"  na convenção de domingo.
A governadora Rosalba Ciarlini vem ocupando a imprensa e fala abertamente da decisão do DEM, que ela considerou humilhante e desrespeitosa constitucionalmente.
EIS...
...aí parte do que foi dito por Rosalba, em entrevistas concedidas a jornal e rádio, e amplamente reproduzidas  em blogs e outras mídias. A  repercussão da  Convenção do DEM tem sido a pauta da semana na imprensa potiguar. 
  A Governadora  Rio Grande do Norte se disse traída pelo senador José Agripino Maia, presidente nacional e estadual do DEM,  engenheiro do veto a sua candidatura a reeleição, no último domingo,  ante o seu interesse em apoiar o pré-candidato do PMDB ao governo, deputado federal Henrique Alves, e a pré-candidata do PSB ao Senado, Wilma de Faria,  pensando em garantir a reeleição do seu filho, Felipe Maia, para a Câmara Federal.

CASSAÇÃO BRANCA
 Rosalba Ciarlini  declarou que de  certa forma se sente descartada, dispensada, e traída pelo  Paritido,  lesada  em seus direitos legítimos pelo diretório do DEM  que lhe tirou o  direito de ser julgada através do voto. 
“Eu tinha um cargo, um mandato, e é um direito, a Constituição me dá esse direito. Usaram de todas as artimanhas para que eu não fosse candidata. Por que não ter o direito de mostrar ao povo o que fiz? De ser julgada pelo próprio povo? Isso me deixa indignada, revoltada. Mas o tempo é o senhor da razão e vai mostrar muita coisa”.

AMIGO DA ONÇA
Rosalba não poupou críticas ao   senador José Agripino, de quem se diz aliada  de mais de 50 anos e  alguém que “considerava amigo”. No entanto, o  que viveu na Convenção do DEM foi uma situação muito constrangedora, traumática e até humilhante.“Lutei até onde pude lutar, não fugi da luta, como nunca fugi na minha vida. Era um direito que eu tinha e fui. Fui ao diretório, fui à convenção. Mas, infelizmente, esse foi o resultado, lastimável, para um partido que tem um nome democrata, declarou.


CONVITES
À imprensa a Governadora  declarou o seu sentimento de decepção pela traição engendrada pelo senador José Agripino, reafirmando a sua fidelidade e lealdade ao ex-aliado político, sem  esquecer a  amizade de décadas com o líder do DEM. Fazendo uma retrospectiva de  "fiel escudeira" de JáJá,  ela narrou:

Fui insistentemente convocada por figuras como Jorge Bornhausen, Gilberto Kassab, Kátia Abreu. Pelo governador Raimundo Colombo, que quando decidiu deixar o Democratas, me ligou dizendo: Rosalba, lá na frente você vai se arrepender.O partido não vai lhe dar as oportunidades que você está precisando.
 Eu disse: De jeito nenhum,conheço José Agripino há mais de 50 anos. Quando fui prefeita estava no PDT, mas o PFL se formou, eu mudei para o PFL. Fui prefeita, senadora,quando ele assumiu a presidência, o partido já estava diminuindo, ele é do meu estado, sou a única Governadora, abandoná-lo? Não vou fazer isso porque seria uma desfeita e até uma traição. Fiquei por lealdade, para fortalecer o partido, infelizmente… 

VEM PRA CÁ

Segundo ela, não foi apenas  o PSD  que a convidou para mudar de Partido, o PROS, que se formava pelo governador do Ceará, Cid Gomes, e o  PTB também desejaram o seu ingresso. A governadora não se  disse arrependida de ter permanecido no Democratas e  alega que tomou a decisão, mesmo com o os  diversos convites,   para  mostrar que era leal, fiel e respeitava o DEM, seu  partido.

BENEFICIADO ?
 É provável que a chamada a traição do DEM à Rosalba  traga um revés as pretenções de Zé Agripino e  venha favorecer a candidatura do PSD, de Robinson Faria, ao governo do Estado  (que já emitiu nota de solidariedade à governadora, pela atitude anti-democrática do DEM) porque Henrique Alves e  Wilma de Faria não contarão com a simpatia de Rosalba.

TEMPO
 A Governadora  pediu paciência aos que seguem a sua liderança política e diz que  anunciará  o seu apoio  depois das  convenções que oficializarão todas as candidaturas  no Estado. Na imprensa, Rosalba  deixa claro  a sua saída do DEM ao término do mandato, já que, segundo ela, se sair agora o partido lhe toma o mandato. 
É AGUARDAR...
... para vê que caminho os "degredados" do DEM tomarão. E se o escolhido para receber o apoio desejará Rosalba, com a impopularidade que enfrenta, ao seu lado num palanque eleitoral.